ASSIM NÃO DÁ, MINISTRO

    Sinceramente, o ministro Gilmar Mendes já passou da conta. O país já está saturado das suas opiniões políticas que só servem para aumentar a já não pequena polêmica em torno de si mesmo.

    Como pode ele afirmar em discurso na sede do TSE, no lançamento do “Anuário da Justiça” que o “abuso de autoridade” parece ter chegado a membros do Judiciário e do Ministério Público? http://g1.globo.com/politica/noticia/juizes-e-procuradores-nao-podem-ocupar-lugar-dos-politicos-diz-gilmar-mendes.ghtml

    Afirmou também que juízes “devem atuar dentro de suas competências sem jamais buscar ou influenciar os agentes políticos”.

    Declarou, ainda,  que o “Judiciário e o Ministério Público, portanto, são espécies de árbitros do processo político, mas não devem substituir os jogadores principais”.

    Mas não foi justamente ele que foi flagrado numa conversação telefônica com Aécio Neves, prometendo interferir no legislativo, junto ao senador Flexa Ribeiro, para tentar convencer-lhe da necessidade de aprovar a “Lei do Abuso de Autoridade”,  mostrando toda a sua solicitude com as seguintes palavras: “Eu falo com ele… eu ligo pra ele… eu ligo para ele agora”?

     Que sofreguidão!

    Para ser coerente com seus próprios discursos, o ministro deveria, antes de tudo, censurar-se publicamente.