AS PETIÇÕES E OS POLISSÍLABOS

 

     Consequentemente. Nada de estranho com esse vocábulo, mas pensando bem, ele é cansativo. É polissilábico ( 6 sílabas, 3 delas grandes) e possui 16 letras. Isso acontece com frequência em palavras terminadas em “mente” , “idade”, “ção”, “antes”, “entes” e que são utilizadas com frequência em textos jurídicos. Exemplos: inadvertidamente, possivelmente, provavelmente, concomitantemente, possibilidade, sinistralidade, anterioridade; disponibilidade, condicionantes, dirimentes, etc.

    Pior ainda quando se antepõe o prefixo “des” ou “in” nessas carroções. Desincentivar e instrumentalização são dois exemplos.

   A função aparente desses vocábulos longos é dar maior autoridade e sofisticação ao texto (curioso que essas duas palavras tenham 5 sílabas). O efeito, contudo, não atinge seu objetivo. Todo texto que possui vários  vocábulos de cinco ou mais sílabas é desagradável e tem uma caráter que o piora: produz frases longas demais, rebuscadas com outras palavras multissilábicas. É um vício que deve ser evitado através do processo de revisão.

    Nunca é demais lembrar que o texto se dirige ao leitor e deve-se mantê-lo interessado nele. No caso dos textos jurídicos, é o juiz.

  Os polissílabos sempre podem ser substituídos por vocábulos mais curtos: consequentemente – por isso (perceba-se como é mais agradável); provavelmente – decerto; inadvertidamente – sem cuidado; concomitantemente – ao mesmo tempo, ou apenas “e”, etc. No processo de revisão, essas opções surgem  naturalmente.

      Alguns polissílabos estão consagrados pelo uso, como “ambiguidade”, “interinidade”, “plausibilidade”, “atenuantes”, “verossimilhança”, etc. e não há nada de errado em usá-los, desde que se evite agrupá-los, na mesma frase, com outros polissílabos.

   Eis aqui um trecho aleatório que busquei na defesa do Presidente Michel Temer, assinada pelo advogado Antônio Mariz:

A utilização de uma gravação subterraneamente obtida, portanto ilícita, pois à revelia do outro interlocutor e adulterada; a ausência de uma perícia nesta mesma gravação, que deveria ter sido efetivada como primeira providência antes de sua utilização ; a divulgação a um jornalista de informações adulteradas sobre a degravação; as inusitadas benesses outorgadas aos delatores; a delação imediatamente após a gravação sem nenhum cuidado sobre a sua autenticidade e outras ocorrências serão temas abordados na presente defesa, ao lado dos argumentos que porão por terra as imputações constantes na denúncia.

   Contei 17 vocábulos com mais de cinco sílabas e vários outros com 4 sílabas longas. Ao todo, 89 palavras.

    Para efeito didático, reduzi esse parágrafo, sem deixar escapar-lhe a essência, creio, à seguinte forma:

 O uso de uma gravação ambiental ilícita e ainda ausente de perícia, que deveria anteceder a sua divulgação que se fez até a um jornalista de ética suspeita; as benesses inusitadas concedidas aos delatores; a delação logo após a gravação, serão temas aqui abordados, com os argumentos que porão por terra a acusação.

    Resultaram 02 vocábulos com 5 sílabas e vários com 04. Ao todo, 53 palavras. O número de linhas, considerando a diferença na formatação, reduziu-se a menos da metade.

    Observe-se o mais importante: o texto original, dada vênia, muito prolixo e cansativo, é apenas parte de um preâmbulo da defesa, que, como tal, quase com certeza, não será lido. E se assim é, a sua própria elaboração não era necessária. Ele só se presta a tornar o documento como um todo uma peça enfadonha. Aliás, algum deputado que teve acesso à essa defesa, fez um comentário pertinente, dizendo que era preciso paciência para lê-la.

    Qual foi o trabalho que demandou a redução desse parágrafo? Apenas a atenção com a clareza, tendo em mente o leitor, e a revisão necessária do texto. Sempre a revisão. Nos muitos artigos que escrevi neste blog, por falta de tempo, não fiz revisão. Apenas escrevi direto. Quando em alguma ocasião os leio, verifico que estão cheios dos defeitos que aqui aponto e que poderiam ser de leitura mais agradável se eu os tivesse revisado.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s