O COVEIRO VALDEMAR

O COVEIRO VALDEMAR Sobre o portão do cemitério da pequena cidade de Paraibuna, no noroeste do Ceará há uma inscrição talhada em madeira onde se lê revertere ad locum tuus e por baixo dela todo santo dia passava o coveiro Valdemar, que tinha uma certa antipatia por ela e não lhe dava mais atenção. Ninguém…

SERVIÇOS PÓSTUMOS

SERVIÇOS PÓSTUMOS   O homem parou um instante e leu a placa na frente da  casa: “Serviços Póstumos”. Que curioso, pensou, que afetação! Um desavisado não saberia o que pensar desse estabelecimento, que mais parece um escritório de contabilidade. Alguém poderia pensar em fazer uma retificação póstuma do seu imposto de renda, talvez. Mas em…

UMA CONVERSAÇÃO PIA

UMA CONVERSAÇÃO PIA   Uma sessentona com os cabelos duros como arame e pintados de loiro,  uma cara severa de matrona, apoiada numa bengala, subiu no ônibus e abancou-se no primeiro assento destinado aos idosos. Na outra fila, ao lado, uma senhora octagenária toda enrugada e com os cabelinhos brancos e curtos, como é o…

O RECURSO DECLARATORIAL

– Meu amo – disse Sancho, Vossa Mercê pode me explicar o que é isto que está escrito nesta folha que recebi da Corte de Apelação Real? – Deixe-me ver – respondeu D. Quixote. Apanhou o papel, leu  e o devolveu cerimoniosamente a Sancho – O que você não entendeu? – Isso aqui, onde fala…

A MAGIA DO 10º ANDAR

A MAGIA DO 10º ANDAR                       Eram sete horas da manhã e o grupo de 05 serventes se espremia no elevador entre baldes, aspiradores e esfregões em direção ao último andar do prédio do tribunal de justiça, onde se situava a presidência. Todo dia a…

O SUMIÇO DA CALÇA SOCIAL DO PRESO

Estado de Santa Catarina Poder Judiciário Comarca da Capital Direção do Foro Vistos, etc.:             Chega a nosso conhecimento, através do oficio 023050001-7929-000-013, originário da vara do júri desta capital, que uma calça desapareceu das dependências do bunker onde se situam as salas contíguas ao salão do júri. Essa calça…

O CONSELHEIRO E SUA MEDALHA

Todo mundo tem as suas idiossincrasias e o doutor M. tinha as suas, uma delas era a aversão a cerimônias e medalhas. Não gosto, nunca gostei e não vou gostar, costumava dizer (é essa repetição que faz uma bela idiossincrasia). Tinha a sua própria opinião sobre a coisa, mas não gostava de falar nesse assunto…

O CONTÍNUO

       Esta história se passou num tempo em que o país não tinha bruxas, e certamente se alguém viesse falar em uma festa de Halloween naqueles tempos seria chamado de idiota – isso se alguém conhecesse o significado da palavra – pois ninguém seria bobo de fazer uma festa para bruxas num país…

O COQUETEL

 – Santo Deus. Foi essa a reação do juiz promovido a ao cargo de membro de um Tribunal quando soube que não estavam caçoando dele ao lhe recomendarem oferecer um coquetel de pelos menos dois mil reais, às autoridades e convidados que fossem comparecer a sua posse. – Isso tudo?  – Sim, é da tradição…

FORA DE CONTROLE

    Ocorreu na comarca de Imienska, no noroeste da Polônia, que um juiz ateu julgou improcedente uma ação movida por um advogado filiado à Igreja Ortodoxa, que requeria a condenação do prefeito da cidade a ressarcir os cofres públicos com os 500 zlotz que mandou aplicar numa festividade religiosa promovida pela Igreja Católica daquela…

A MISSA DAS DEZ

A MISSA DAS DEZ O doutor Jabuti, juiz de nomeada e muito devoto, naquele domingo de sol de primavera, decidiu sentar na praça do bairro que ficava na frente da igreja e curtir o sol da manhã, e lá estava, mexendo os braços num aparelho que desgrudava as articulações do ombro, quando se aproximou um…

CONGELANDO AS LÁGRIMAS

A porta da sala de audiências se abriu e um curioso fez menção de entrar justamente no momento em que a mulher caía no choro pela segunda vez. Como quem comete uma indiscrição, o homem deu um passo atrás com um pedido de desculpas e encostou a porta suavemente. A mulher era a única pessoa…

Congelando as Lágrimas

A porta da sala de audiências se abriu e um curioso fez menção de entrar justamente no momento em que a mulher caía no choro pela segunda vez. Como quem comete uma indiscrição, o homem deu um passo atrás com um pedido de desculpas no olhar e encostou a porta suavemente. A mulher era a…

A MAGIA DO 12º ANDAR

Eram sete horas da manhã e o grupo de 05 serventes se espremia no elevador entre baldes, aspiradores e esfregões em direção ao último andar do prédio do tribunal de justiça, onde se situava a presidência. Todo dia a limpeza começava naquelas dependências, nem se admitiria de outra forma e aquele era o único lugar…

SENTENÇA CASSADA (uma tese jurídica em forma de conto)

  – Embora respeitável o entendimento defendido pelo magistrado, penso diferentemente e sou pela cassação da sentença apelada. – Permite vossa Excelência um aparte pontual? – perguntou o assessor. – À vontade, respondeu o desembargador relator do processo, cujo acórdão discutia com ele. Não compreendi muito bem essa parte, com as devidas licenças, como é…

O CONSELHEIRO E SUA MEDALHA

Todo mundo tem as suas idiossincrasias e o doutor M. tinha as suas, Uma delas era a aversão a cerimônias e medalhas. Não gosto, nunca gostei e não vou gostar, costumava dizer (é essa repetição que faz uma bela idiossincrasia). Tinha a sua própria opinião sobre a coisa, mas não gostava de falar nesse assunto…