UM CORAÇÃO CORINTHIANO

Havia no fórum um vigia terceirizado que amava o Corinthians e seu assunto preferido era falar de futebol. Era avaiano e como tal, detestava o Figueirense, mas seu coração era mesmo todinho do clube paulista. Era um negro de rosto redondo como uma bola oficial, quarentão mas com feições de criança, cabelo raspado, grande e…

NINGUÉM SE BANHA NO MESMO RIO DUAS VEZES

Ninguém se banha no mesmo rio duas vezes     Isso é o que dizia Heráclito, e numa ocasião tive a oportunidade de comprovar o alcance desse aforisma, em que, nem o rio é o mesmo e nem o homem tampouco. Encontrava-me eu no início da carreira em uma comarca do interior, com minha máquina de…

UM BOM ENCONTRO

  Sucedeu este episódio na comarca de Jaraguá do Sul/SC, há 12 anos. Corria um processo na vara criminal onde eu era o titular, por tráfico de drogas, com apenas um acusado. Na audiência de instrução e julgamento, a defesa trouxe uma testemunha orientada para mentir e estabelecer uma dúvida quanto à propriedade da droga…

MASSAGEM CARDÍACA

    No Fórum de uma comarca do interior, servida por duas varas, havia um soldado PM que fazia a vigilância do prédio durante o dia. Tinha os seus 40 anos e era um sujeito baixinho e gabola, que usava uniforme de combate, com coturnos polidos. Conversador e solícito, estava ali para servir, pois sua…

INTERDIÇÃO A CAMINHO

           Numa dessas comarcas do interior, certa vez fui chamado para presidir uma audiência de interdição, que, como se sabe, se resume ao interrogatório do interditando. A causa alegada, em bom português, era a de que o parente era doido varrido. Não parecia, conversou comigo razoavelmente, sabia distinguir o valor das cédulas de dinheiro…

A MÃO (uma lembrança sem nenhum humor)

Em 1990, quando fui designado para substituir na comarca de Imbituba/SC, topei com uns 50 processos conclusos para sentença, empilhados numa cadeira, dentro de meu gabinete. Eram processos velhos, que já deviam estar ali há bastante tempo, ao azar, escolhi um que estava meio atravessado ali pelo meio. O caso era o de um operário…

O DIA EM QUE RECEBI UMA HONRARIA

Há oito anos, quando já encaixotava os livros para mudar-me de comarca, recebi um ofício da Câmara Municipal que queria me homenagear com o diploma de Honra ao Mérito.  Nunca gostei de medalhas e comendas. Mas, para não ferir sentimentos, que alternativa? Aceitei. No dia  designado, a honraria seria concedida na 2ª parte da sessão…

EXCESSO DE MELINDRE

            Na comarca de I., havia um oficial de justiça extremamente dedicado as suas funções. Para ele, não havia tempo ruim e quando saía um mandado difícil de cumprir, os seus colegas davam um jeito de fazer com que a diligência fosse cumprida por ele, com sua moto Honda, de 125 cilindradas. Às vezes…

ACONTECEU NA PRAÇA XV

Meu episódio preferido aconteceu há muitos anos, quando o general Figueiredo era o Presidente do Brasil e veio a nossa cidade para uma visita protocolar e dirigiu-se a um grupo de estudantes que estavam ali avacalhando com os tchauzinhos dele da janela do palácio da Praça XV. Depois que tudo se encerrou com algumas prisões…

PLANTANDO BANANEIRAS NO BANHEIRO

Na comarca X, havia um certo servidor, que pela natureza de suas funções, trabalhava só e não era pessoa fácil de se lidar; possuía transtornos mentais, um histórico de licenças por esse motivo, era indisciplinado por contingência e tinha a sua própria visão de como as coisas deveriam ser. Não adiantava orientar, cismava e empacava.…

LIQUIDANDO O CLIENTE PARA GANHAR A CAUSA

        Um cidadão havia comprado uma Brasília velha e queria reformá-la para ter a sua relíquia. Procurou algumas oficinas e escolheu a do réu, que realizou o serviço com má qualidade, deixando uma série de defeitos aparentes na lataria. O autor pretendia ser ressarcido e a ação foi distribuída no meu Juizado.…

DEBAIXO DA MARQUISE

Uns dias atrás, quando caminhava de manhã por uma das ruas próximas ao fórum, cruzei com uma jovem debaixo de uma marquise de ônibus. Ela usava um macacão da moda, preso por um cinto, tinha os cabelos negros e longos, ainda molhados  do banho e usava enormes óculos escuros. Trazia preso entre o corpo e…

DOUTRINADORES – QUEM PRECISA DELES?

DOUTRINADORES – QUEM PRECISA DELES? Há algum tempo atrás caiu-me nas mãos um convite para comparecer a um ciclo de palestras jurídicas, ministradas por vários – digamos assim – juristas. Para os leigos, seria oportuno esclarecer que jurista não é quem empresta dinheiro a juros, mas sim um indivíduo que se tem como expert em…

DICIONÁRIO DAS EXPRESSÕES CRETINAS E EQUÍVOCAS V

DICIONÁRIO DE EXPRESSÕES CRETINAS E EQUÍVOCAS é um apanhado de palavras e expressões que venho recolhendo há algum tempo e que dizem muito sobre a dinâmica cultural e sua influência na língua, que nesse contexto, a meu juízo, caminha para trás, na medida em que banaliza as palavras ao ponto de fazê-las até perder o…

MEMÓRIAS REPRESADAS

MEMÓRIAS REPRESADAS Aquilo que não posso escrever é o que mais me incomoda, primeiramente porque já está escrito e o melhor seria dizer publicar. Depois, porque é a melhor parte. O Judiciário não lida bem com a auto-crítica e tenho a impressão que lida melhor com a crítica direta do que com a ironia da…

DICIONÁRIO DAS EXPRESSÕES CRETINAS E EQUÍVOCAS IV

DICIONÁRIO DE EXPRESSÕES CRETINAS E EQUÍVOCAS é um apanhado de palavras e expressões que venho recolhendo há algum tempo e que dizem muito sobre a dinâmica cultural e sua influência na língua, que nesse contexto, a meu juízo, caminha para trás, na medida em que banaliza as palavras ao ponto de fazê-las até perder o…